quinta-feira, dezembro 02, 2004

Amizade...




Eu tenho...
Eu sou...
Assim...
Persistente como mais ninguém,
Sempre amigo de mais alguém...
Apenas vivo ao meu ritmo,
Acompanhado pelo vento que me chama,
Que me leva por aqui e por além...
Se quiseres cair, não contes comigo,
Mas se quiseres sorrir, dá-me as tuas mãos,
Que eu, logo irei contigo...
Pouco a pouco, iremos longe
E quando te sentires sozinha...
Voa...
Pois a ferida,
Já sarou...

2 comentários:

NunoNove disse...

LC, conheço bem este poema...confundível com amor, irrepetível com amizade...a nossa. Obrigado por me exprimires

candida disse...

puxa não devo ter percebido bem o poema.