quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Mor(r)o mesmo ao teu lado...



num prédio encharcado,
de rosto molhado,
uma tristeza qualquer...
Mor(r)o sózinho,
num prédio vadio,
de corpo vazio,
só o vinho me quer...
Mor(r)o à frente,
de um prédio indiferente,
Pra trás a semente,
que eu já parti...

3 comentários:

A Terapeuta disse...

"Mas se um dia quiseres ter do teu lado
um corpo pisado
põe e dispõe de mim."

Jorge Cruz em Roupas (parte 2)

(Se não o conheces, aconselho-te a ouvir o seu albúm Sede. É maravilhoso.)

m. disse...

Morre-se sempre sozinho...porque ninguém sente o gosto da morte como o moribundo...rodeado de vida morre-se sozinho.

Bullet_Proof(essor) disse...

Conheço bem o "Sede" de Jorge Cruz...sinto que ele não dá tudo o que tem...talvez, porque falte sempre alguém...talvez...

Obrigado e beijinhos a ambas...porque "rodeado de vida morre-se sozinho."...;)